sábado, 25 de agosto de 2007

As flores perfumam até as mãos que as esmagam...

Não tens nada na mão.
Apanhas uma flor seca, julgas que tudo pode mudar se apanhares uma flor seca,
Sentes-te morta! Balanças a tua vida. Sentes-te morta.
Apanhas uma flor viva ainda, prestes a secar, prestes a morrer.
Com as tuas mãos esmagas a flor, matas a flor...
Olhas as pétalas quebradas doendo-te em ti cada golpe que lhes dás.
Pousas a tua vida esmagada com o resto de vida que resta da pequena flor,
nas suas pétalas desarrumadas pelo chão.
O chão onde o lixo se amontoa.
Que fazes tu? Nada!
Sentas-te no degrau da escada e escutas o leve passar da noite.
As flores perfumam até as mãos que as esmagam...



3 comentários:

Delfim Peixoto disse...

Li, gostei e voltarei, certamente
jnh

Arion disse...

Muito bonito!

Vlad disse...

Só o título já é um poema...

Bjnhs